26.07.21 Observatório Psicanalítico – OP 258/2021

Ensaios sobre acontecimentos sociopolíticos, culturais e institucionais do Brasil e do Mundo. 

Pela paz, pela América Latina e … por Cuba 

A Leonardo Padura e a todos que permanecem em Cuba acreditando no sonho…

Ney Marinho (SBPRJ) 

​Aos companheiros do OP, escrevo sob o impacto de vários estímulos e emoções. Em primeiro lugar, hoje pude assistir ao debate da FEPAL com colegas moçambicanos – Romulo Muthemba e Boia Efraime – sobre a relação da Psicanálise com os médicos tradicionais (nome dado em Moçambique aos novos e antigos curandeiros que eram tratados de modo pejorativo, embora fossem muito procurados pela população). Graças a uma lúcida política sanitária, há uma parceria da medicina ocidental com a tradicional, desenvolvida pelo Ministério da Saúde de Moçambique que assim atende sua grande população, com respeito às práticas tradicionais e com a criatividade que um jovem país marcado pela luta anticolonial e fratricida pede. Devemos agradecer à Maria Teresa Rocha e seus companheiros da FEPAL por esta importante iniciativa que tocou profundamente a todos que a assistiram.

​​Escrevo também pela importância que vejo, certamente pela idade, e por ter assumido mais uma vez as funções de Diretor de Instituto da SBPRJ num projeto de ampliação para afrodescendentes, indígenas e refugiados de baixa renda, de modo a permitir a realização de uma formação psicanalítica de tradicional consistência. É um ousado projeto. Sei também que os companheiros desta aventura não abrem mão de resgatar a proposta humanista e revolucionária da Psicanálise que atraiu nossos precursores à Viena no início do século passado. Penso em Ferenczi, Abraham, Rank, Fenichel, Rickman e tantos outros que se multiplicaram em Klein, Winnicott, Bion, Lacan, Kohut, Green, mestres que respeitamos. Mas, o que prometia a psicanálise? 

Como hoje em dia sabemos, pelos desenvolvimentos da história da epistemologia e do próprio conceito de ciência, o que é atraente em qualquer ciência são … suas promessas!  No caso da Psicanálise: uma possibilidade de pensarmos outras formas de relacionamento humano, o respeito pela diferença, o fim dos preconceitos nacionais (lembremos dos pogroms), a igualdade dos sexos, o respeito pela infância (tema de nosso atual Congresso Internacional) e … a possibilidade de um mundo melhor. Lembremos do diálogo Einstein/Freud. Sabemos que o grande físico não foi ingênuo em escolher Freud, a pedido da Liga das Nações, como interlocutor da pergunta que nos anos 30 já se anunciava: Por que a Guerra? 

​​Escrevo também, por assistir, perplexo e angustiado, o terrível silêncio que se faz em relação à dolorosa situação pela qual passam nossos irmãos cubanos. Cuba, que foi capaz de criar uma alta tecnologia médica e pode até exportar vacinas contra a Covid-19,  se vê cerceada por um bloqueio criminoso, a rigor, uma nova forma de pirataria – que infringe todas as normas internacionais, e foi  inúmeras vezes condenado pela ONU! – passa por mais esta prova de sofrimento por ousar ser ela mesma! 

Quem de nós que elegeu Bush, Trump, Berlusconi, Thatcher, Boris Johson, que aceitou Pinochet, Videla, Medici, tolerou por tanto tempo Franco e Salazar, tem moral para ditar como os cubanos devem escolher seus dirigentes? Todos os listados sempre foram belicistas e não aceitavam os organismos internacionais (fórmula que Einstein lembra a Freud como possível para evitar conflitos). Por que não respeitar que cada povo escolha seu caminho? 

Para minha geração, Cuba sempre foi – e para muitos ainda é – uma ilha de dignidade, com seus erros e acertos, mas sempre com um compromisso a serviço de um ideal de igualdade e fraternidade que há muito esquecemos! Evidente que todos queremos que Cuba se democratize politicamente, o que não será possível pela mão dos antigos exploradores. 

​Lembro de nossa ida a Cuba, com Fernanda, Rosa Beatriz Pontes de Miranda, Franklin Rubinstein, Cristina Amendoeira, Marilia Daher, Marcelo Viñar, Saul Peña e tantos outros psicanalistas, onde tivemos o último encontro com a querida Marie Langer para reaproximar Cuba de nossa comunidade. Era o Primeiro Encontro da Psicologia Marxista e a Psicanálise. Como fomos recebidos! Que alegria e esperança! Era o ano de 1986. O segundo da Perestroika. Alguns de nós haviam ido, no ano anterior, à União Soviética e a outros países do bloco socialista para ver e discutir a possibilidade de um Socialismo Democrático – com igualdade, sem racismos, sem partido único, com ampla liberdade de imprensa e pensamento, comprometido com a paz e a democracia como valores universais – um velho sonho de várias gerações. 

Um sonho que um dos personagens da obra prima de Leonardo Padura – “O homem que amava os cachorros” – disse: “ … o socialismo foi o maior sonho que a humanidade jamais sonhou”. Longe de mim discordar do velho bardo que achava que “ … a vida é um conto contado por um tolo cheia de som e fúria …” 

Contudo, prefiro viver as vãs esperanças que Prometeu nos concedeu – ao nos fazer esquecer a data de nossa morte, segundo nos conta Esquilo em Prometeu Acorrentado – e acreditar que vale a pena, como psicanalista que somos, viver nossos sonhos, principalmente, os impossíveis. 

Lembro de companheiros que não mais estão entre nós mas sempre defenderam tais princípios: Geny e José Serber, Celina e Odilon Niskier, Fernando Sklo, e tantos outros que nos reencontrávamos nas campanhas pacifistas! Estaremos sempre juntos.

​Penso que, como psicanalistas, devemos nos pronunciar pela FEBRAPSI, FEPAL e IPA pelo fim de qualquer bloqueio – todos são criminosos e só trazem ódio e desgraças, vejam os do Oriente Médio, do Irã, do Vietnã: os EEUU mantiveram um bloqueio por 10 anos, após a derrota, o que prejudicou a economia vietnamita mais do que a guerra suja que desenvolveram – que impeça um povo de receber o comércio e a ajuda humanitária (até de seus compatriotas que residem fora) para superar este momento que a humanidade vive. Caso abramos mão desta postura, não tenho dúvida de que não seremos mais psicanalistas, mas meros feiticeiros do mercado. Não é a minha escolha, é mais a do retorno à sempre renovada aventura psicanalítica. Convido-os ao desafio da Paz! Com um afetuoso abraço, Ney Marinho. 

(Os textos publicados são de responsabilidade de seus autores) 

Texto “Um grito”, de Leonardo Padura, publicado no Blog da Boitempo. 

https://blogdaboitempo.com.br/2021/07/16/um-grito-padura-escreve-sobre-as-manifestacoes-em-cuba/

Evento Fepal “Medicina Tradicional e Saúde Mental em Moçambique”.

https://drive.google.com/file/d/1kHRlxHMUbm3ATrvUWo5NX2UwrWAw904T/view?usp=sharing

Colega, click no link abaixo para debater o assunto com os leitores da nossa página no Facebook: 

https://www.facebook.com/252098498261587/posts/2022131337924952/?d=n

Os ensaios do OP são postados no site da Febrapsi. Clique no link abaixo:

https://www.febrapsi.org/