30.06.21 Observatório Psicanalítico – OP 254/2021

Ensaios sobre acontecimentos sociopolíticos, culturais e institucionais do Brasil e do Mundo. 

O imperativo categórico é fora Bolsonaro

Valton de Miranda Leitão (SPFOR)

Diante de tudo que vem sendo revelado na CPI da Covid-19 pelos meios de comunicação, não é panfletário dizer: Fora Bolsonaro. O impeachment tornou-se bandeira de luta que a voz das ruas começa a bradar em todo país. As análises políticas, sociológicas e psicanalíticas, embora necessárias, somente ganharão efetividade política com o povo em movimento nas praças e avenidas. 

A população já sabia que o atual governo do capitão Jair Bolsonaro tinha optado, diante da pandemia do coronavírus, pela estratégia da “imunidade de rebanho’ escancarada nos depoimentos da CPI; agora surge um ingrediente explosivo revelado inesperadamente pelos irmãos Miranda, aliados do bolsonarismo. Não cai simplesmente por terra o mentiroso discurso do combate à corrupção, mas apresenta-se aos nossos olhos o uso inescrupuloso e desumano do sofrimento de mais de meio milhão de brasileiros para ganhar milhões de dólares através de uma negociata na compra da vacina Covaxin. 

O escândalo é monumental, capaz de ferir de morte qualquer fanatismo religioso, supremacista ou de extrema direita, pois nenhum sistema algorítmico será capaz de sustentar essa degradação, atentando contra a lógica mais elementar do silogismo. 

Assim, quando digo como simples brincadeira de adivinhação: qual é o animal rastejante de quatro patas, com um rabo e que muda de cor conforme o ambiente? A resposta é clara: o camaleão. Dessa forma, quando se faz um empenho para compra de um objeto – recusando-se todos os outros concorrentes -, feita pelas altas esferas da Presidência da República e do Ministério da Saúde, não se está fazendo um joguinho infantil, mas estamos em face de um gigantesco esquema mercadológico para suprir, com dinheiro roubado do povo, o caixa da campanha presidencial do Messias que se autoproclama mito. 

O impedimento, entretanto, não será alcançado facilmente, pois o atual governo tem, apesar de declinante, uma base de apoio de 23% na população, o Centrão (súcia de degenerados comandados por Arthur Lira na Câmara dos Deputados) e apoio nas forças armadas de que agora já não sabemos a extensão. A acumulação de forças a cada manifestação nas ruas tende a desfazer o fanatismo e seu correlato, o negacionismo, que dão apoio emocional ao seu líder de claras inclinações antidemocráticas e ditatoriais. Existe uma parcela da população que carrega no seu inconsciente preconceitos atávicos, contrários à tolerância democrática. 

Além disso, essa parte da população desenvolveu forte paranoia, estimulada pela propaganda governamental que atribui  aos adversários, que considera inimigos, um mal moral, a incompetência na batalha do mercado e que tem, como corolário, o entrincheiramento no marxismo cultural nas universidades. 

O ataque à cultura faz parte da estratégia nazifascista, cuja pretensão é o retorno a um tempo mítico supostamente puro e que fala a língua básica eleita por Deus. É essa mixórdia intelectualista olavista que está por trás do mamulengo presidencial e sua grei. 

O enfrentamento desse poderoso conjunto somente pode ser feito com uma frente ampla, como aquela das Diretas Já que derrotou a ditadura militar. Nessa batalha, psicanalistas de todas as vertentes dão, ao lado de outros intelectuais, importantes contribuições para que a capacidade de pensar prevaleça sobre os ingredientes fanáticos e paranoicos, e alimente a organização dos setores político-partidários no plano objetivo. 

A frente ampla precisa ser sustentada por um extenso movimento de esquerda capaz de hegemonizar o processo político que ganha o asfalto. 

A trágica situação sanitária, moral e política brasileira é agravada por um governo que pôs a ética de cabeça para baixo. É necessário que a bandeira nacional seja assumida como símbolo da ética que representa a preocupação com todo o povo brasileiro; o dilema entre civilização e barbárie somente será superado derrotando de maneira incontestável o infame bando instalado no Palácio do Planalto. Esta é a verdadeira e fundamental questão democrática. 

(Os textos publicados são de responsabilidade de seus autores) 

Imagem: Rafael Smaira, 29 de Maio de 2021.

Colega, click no link abaixo para debater o assunto com os leitores da nossa página no Facebook: 

https://www.facebook.com/252098498261587/posts/2002019246602828/?d=n

Os ensaios do OP são postados no site da Febrapsi. Clique no link abaixo:

https://www.febrapsi.org/